BORGES, 2013

unnamedsoundsculpture_wide

BORGES, Hélia. A arte pensa? A metodologia e o campo encarnado do imprevisível. Revista LUME – Núclo interdisciplinar de Pesuqisas Teatrais – UNICAMP. n.4, p.1-9, dez. 2013.

Resumo: Este artigo tem como objetivo criticar o modelo de avaliação comumente utilizado na academia, propondo para o estudo da performance um método que vise o processo ao invés dos resultados, ou seja, que coloque em evidencia a instabilidade do campo pesquisado destacando a importância da experiência estética.

Palavras-chave: Subjetividade, Performance, Presença.

 

  • Na tradição do pensamento ocidental, a reflexividade – pela necessidade de um tempo para pensar – foi tomada como referência para encontrar as respostas, em que o objeto de pesquisa metodológica sustenta-se no credo do poder do logos, da representação. (p.1)
  • como produzir pensamento na experiência da imediaticidade característica do que se desloca continuamente?  (p.1)
  • Na direção dessas problematizações, pensamos que na construção teórica realizada a partir das experiências estéticas vividas através do fenômeno perceptivo, a palavra poética é o desvio necessário para que os blocos de sensação possam dar lugar aos conceitos. A deriva é o lugar, ou melhor – o não lugar marcando que o estudo, a pesquisa nas humanidades deve se situar nas juntas, nas articulações,  nos entremeios. Em que o campo pesquisado e pesquisador fazem sua trajetória de maneira inseparável. (p.1-2)
  • Produzir um texto teórico como pesquisa instalada no campo artístico comporta em si mesmo um diferencial, que coloca em questão a ideia de metodologia contida no senso comum da pesquisa acadêmica. (p.2)
  • Por metodologia entende-se, na herança cartesiana, a elaboração de um plano já pré-determinado, orientado para um fim proposto em que se supõe saber os passos visando alcançar determinado objetivo e/ou resultados. A produção acadêmica, comumente, tem na metodologia seu instrumental para cercar a observação fenomenológica que, pela certeza adquirida de uma realidade dada, se define na separação entre sujeito e objeto impedindo, entre outras coisas, o encontro com os vazios de sentido, com o que se encontra fora da representação.
  • Porém, contrariamente ao logos, a experiência estética, dentro da perspectiva dos vazios de sentido, convoca a corporeidade e é através dela que apelamos para o desconhecido. Do caos aos cosmos: adentrar em um não-lugar para construir novo território. Construir um CsO, enlouquecer o organismo, fazer subir as forças retidas nas formas e como caosmo (1), reconfigurar um campo. (p.2)
    –> (1) Termo utilizado por Deleuze e Guattari referindo-se à arte como caos que carrega o germe de ordem, pois que sendo composição do caos já porta em si um território (cf. DELEUZE E GUATTARI, 2001).
  • Deleuze (2002) propõe o CsO para dar conta deste universo das sensações, visto que, para esse autor, a fenomenologia em sua perspectiva da intencionalidade no ato perceptivo não consegue apreender as constantes transmutações e ambiguidades características da experiência estética. As constantes desconstruções oriundas da transitoriedade dos investimentos polivalentes nos órgãos revelam um corpo em deslocamento de forças, corpo intensivo, um coletivo, no qual as formas se subjugam às forças. (p.2-3)
  • Neste sentido do movimento, em sua dimensão espaço-temporal, nos ritmos, fluxos, pulsações, aproximamo-nos da ideia de corpo-sem-órgãos (CsO), que comporta uma compreensão do corpo em uma reorganização constante e infinita, na incessante desconstrução e reconstrução de territórios. Tal aproximação nos permite compreender a histeria como um corpo deformador das formas em que o movimento e o ritmo são manifestações de um intervalo em que se revelaria o fora da lógica discursiva. (p.3)
  • O corpo como portador de uma linguagem arcaica, questiona a racionalidade decorrente da ruptura realizada no pensamento ocidental, revelando o outro que habita em nós, um avesso que se expressa na emanação rítmica com o universo. (p.3)
  • De modo que, de certa maneira, os sintomas histéricos apontam para as limitações dos pesquisadores ao entendimento realizado através da mediação da razão, por confundir o senso comum e o bom senso, os universais e os hábitos do pensamento automatizado em causa/efeito. (p.3)
  • Em “Totem e Tabu” (1912-13), Freud associa o termo Darstellung às condições sensíveis determinantes do impulso motor. (p.4)
  • Suzanne Langer (2006), ao nos falar sobre a produção de um espaço virtual no fazer artístico como o “fazimento do universo em que a forma simbólica existe” (LANGER, 2005, p. 84) nos aponta esta condição primária de criar um mundo a partir de um campo de afetação onde a própria vida e o espaço tomam “vida”. (p.4)
  • Avançando na apreensão deste corpo, nem simbólico nem biológico, que escapa às intervenções estabilizadas e previsíveis, podemos dizer de uma corporeidade que, como CsO, aponta para o instante de abertura infinita de um corpo desterritorializado, momento de inventividade e criação. É no jogo de apropriação de si no qual se leva em conta o paradoxo (cf. Winnicott, 1978) de ser e não ser ao mesmo tempo que, contrariando a leitura do processo de construção de si como um processo de identificação mimética, irá se colocar em cena o jogo no encontro (cf. Badie, 2007) do que aparece e desaparece, nas bordas moventes, a chance da reprodução diferencial em uma perspectiva singular. (p.4)
  • A partir dessa concepção, a arte enquanto campo de desvio e fugacidade, realiza agenciamentos de semiotização, impedindo que se prenda, ao mesmo sistema interpretativo, o mesmo invariante de figura de expressão, o que torna obscura e misteriosa a articulação entre conteúdo e expressão. “O caos, ao invés de ser um fator de dissolução absoluta de complexidade, torna-se o portador virtual de uma complexificação infinita” (GUATTARI, 2000, p. 78). E ainda, “a complexidade, liberada de suas sujeições discursivas significantes, se encarna então em danças maquínicas abstratas, mudas, imóveis e extraordinárias” (GUATTARI, 2000, p. 105). (p.5)
  • O que este autor ao tecer tais ideias inaugura é a possibilidade de passar a teorizar a partir de um pensamento prático que, saindo do pensamento tranquilo, pela violência de um encontro estésico, realize uma ruptura do modo molar de funcionamento das coisas do mundo para favorecer a captação do campo intensivo, campo este que diz respeito ao modo molecular de funcionamento da vida. (p.5)
  • Ao se trabalhar fora da lógica pautada em resultados ou medidas atravessamos o mundo molar – o mundo das formas. É no encontro com as forças moleculares que se torna possível produzir um campo de afetação em que a experiência estética entendida como ser de sensação, campo de imanência desajusta os espaços codificados e, assim, ao romper com a recognição se torna inaugural. (p.5)
  • Corpo sensível, um corpo encarnado, “carne trêmula”, corpo vibrátil (cf. Rolnik, 2001) corpo dos múltiplos sentidos, corpo estésico. A estesia, como condição sensível do corpo que, no seu encontro com o mundo, possibilita a apreensão de campos diferenciais, permitindo desventramentos de mundos. A força dessas manifestações nos retira de um plácido horizonte de certezas e nos impregna do que se desorganiza e insiste em se desorganizar e repetir sem cessar a qualidade desestabilizante da própria vida. (BORGES, 2013, p.5)
  • Os vazios – o que se coloca entre ausência de representação de coisa ou imagem e as pulsões –, são os estados que se sustentam na atualização de um campo de virtualidades sempre presentes que, como processos subjetivantes, operam por forças ainda não codificadas, transduzindo-se (3) em formas. Tais forças estão em um campo intensivo como virtualidades, que são atualizadas no processo de construção de mundos, a partir da preensão perceptiva. Embora não conscientes ou conscientizáveis, esses virtuais se dão aos sentidos por micropercepções dos espaços moleculares e vão constituir parte do dialeto de cada um. (p.6)
    –> (3) O termo “transdução”, aqui utilizado, se refere à capacidade do corpo em realizar uma transformação no ato de conhecimento ao receber uma informação sensível e transformá-la em percepção, operação realizada pelo campo intensivo do corpo.
  • José Gil (2001) se apoia nesta trilha das pequenas percepções para nos trazer a contribuição da experiência da dança como algo que emerge do encontro dos corpos, por meio de efeitos que ele designa como efeito nuvem. Esse efeito nuvem faria parte das experiências captadas para além do codificado, dos espaços localizáveis e que não temos uma consciência vigil. O efeito nuvem poderia ser entendido como um lugar entre o visível (gestos codificados) e o invisível (forma das forças). (p.6)
  • As nuvens de sentido sendo formas móveis, como poeiras que se organizam momentaneamente num sentido, mas que rapidamente se deslocam para outro movimento, infinitamente, possibilitariam a emergência de comunicação entre os inconscientes que não se liga a uma experiência individual, mas a uma imagem-nua. Imagem-nua se trata de algo que pertence às pequenas percepções, ao mundo  asignificante, ao campo imanente da existência. (p.6)
  • Dentro desta perspectiva o trabalho de pesquisa – distanciando-se do hábito redutor de uma metodologia inspirada nos modelos racionalistas de verdade e fundamento – operando por transdução, inscrevendo-se na abertura ao desvio possibilita o acesso ao campo pré-individual, ao coletivo transindividual como território das forças que devém formas. (p.6)
  • Ressalto aqui a condição de transdução operada pelo corpo, através da ativação dos órgãos dos sentidos de forma a permitir, pela alteridade, um ato de resistência às políticas homogeneizantes. São pelas zonas de indicernibilidade, criadas na desconstrução do que se encontra já codificado, que se favorece a emergência de novos horizontes diferenciais na possibilidade, daí advinda, em sustentar o próprio paradoxo da existência. (p.7)
  • O fazer artístico contemporâneo se desdobra na radicalidade da contramão à lógica racionalista que busca no sentido único, no significado datado das coisas do mundo, seu suporte para o pensamento. A singularização, a individuação consiste, justamente, em um processo de transdução em que o pré-individual se torna acessível para produzir o deslocamento necessário, desconstruindo os conjuntos semiotizados impeditivos de apreensão de uma realidade suprassensível, ou seja, impeditivos de transformar os processos de arte em forma de vida. (p.7)
  • Arte pensa? Pensar o pensamento é chegar ao limite da pensabilidade, ou seja, é ir além daquilo que configura o pensamento reduzido ao representado. A arte, assim, na sua expressão estética pode realizar a ruptura necessária ao já configurado, forçando o pensamento a pensar e ao compor vida com a vida nos impulsiona a novos mundos possíveis. (p.7)
  • A arte irá revelar em sua trajetória, portanto, que a realidade é um instante no tempo em que um conjunto de possíveis infinito dá lugar apenas a um sentido, a arte nos impregna da certeza de que há um conjunto de possíveis que estão em permanente presença num campo virtual. O trabalho de pesquisa neste campo requer, necessariamente, o abandono da ideia de finalidade – uma das características da metodologia entendida no sentido clássico, posto que é neste campo de possíveis que o pesquisador em arte deve adentrar, ou seja, naquilo que subjaz a uma realidade dada, no vazio que ela nos permite confrontar. (p.7)
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s